27 de março de 2007

Aventuras do Beagle Tricolor I

Totti Uma pessoa chega a casa do trabalho e encontra este artista estendido no puff, como quem diz: "Eiii já chegaste?"

Old Jerusalem - The Temple Bell

The Temple Bell

O novo álbum de Old Jerusalem. Para ouvir. É tão bom saber que é português. Sabe ainda melhor.

19 de março de 2007

A claridade que o sol envia à Terra

Sou feliz.
Hoje sinto os dias de uma forma mais intensa. O dia mudou. Mudou porque mudei. O dia já não é uma parte da noite, a noite é um fragmento do dia. Talvez nunca tivesse visto a claridade que o sol envia à Terra como vejo hoje, como a sinto dentro de mim. Os caminhos traçam a nossa vida. Algo interceptou o meu no momento exacto. Como se um vidro bloqueasse o meu caminho e a minha vida continuasse. E eu sempre a vê-la, sem poder fazer nada, sem poder mexer as peças do jogo. E, ali, estática a ver a vida que nunca desejei, embebida na noite sem desejar um novo dia. Não quis ver mais. Não via amor, só dor atrás de dor. Dor, mágoa, sofrimento. Ausência de sorrisos. Um copo sem água, uma flor sem cheiro, um corpo sem vida. Limpei o vidro. Retirei todos os pedaços partidos e reconstruí-o de novo. Se ele caiu ali era porque tinha algo para me dar. Fui tentando dar cor à minha vida. Faltava-me dar cor a mim. Seria um patamar um pouco mais difícil de alcançar. O vidro lá estava, para onde me queria levar? Tinha medo. Medo que o desconhecido me levasse a algo idêntico ao conhecido, onde não queria voltar, onde não queria estar nunca mais. Os dias foram passando, tu foste entrando, deixando marcas pelo caminho, marcas essas que não se foram apagando com a força do vento. Bem pelo contrário, foram ficando cada vez mais marcadas em mim. Entraste e devolveste-me o sorriso que já o sentia perdido e que não sabia onde o encontrar. O vidro foi-se afastando a pouco e pouco, deixando a claridade do dia transpor o meu corpo, tornando o dia mais longo que a noite. Acabou por desaparecer. Deixou-me contigo. Despertei. As variedades de luz que me trouxeste encheram-me de cor. Sei que és o meu vidro, vejo a minha vida em ti, vejo o futuro em nós.

16 de março de 2007

13 de março de 2007

4 de março de 2007

Andrew Bird - Cataracts

Armchair ApocryphaA música que me vai acompanhar nos próximos 4 dias. Apenas esta. A que vai tornar a distância mais curta. A que me vai fazer sentir-te a meu lado. Tu e o assobio. Esta: Cataracts de Andrew Bird.

1 de março de 2007

Detector de Mal Entendidos

Já falei no GPS do Amor. Desta vez pergunto o porquê de não existir um Detector de Mal Entendidos. Tipo: Aviso. Aproxima-se um mal entendido. É favor parar para pensar. Evitava tantos aborrecimentos.

Serenata


Problema de Expressão
(Clã)


Só pra dizer que te amo,
Nem sempre encontro o melhor termo,
Nem sempre escolho o melhor modo.


Devia ser como no cinema,
A língua inglesa fica sempre bem
E nunca atraiçoa ninguém.

O teu mundo está tão perto do meu
E o que digo está tão longe,
Como o mar está do céu.


Só pra dizer que te amo
Não sei porquê este embaraço
Que mais parece que só te estimo.

E até nos momentos em que digo que não quero
E o que sinto por ti são coisas confusas
E até parece que estou a mentir,
As palavras custam a sair,
Não digo o que estou a sentir,
Digo o contrário do que estou a sentir.


O teu mundo está tão perto do meu
E o que digo está tão longe,
Como o mar está do céu.

E é tão difícil dizer amor,
É bem melhor dizê-lo a cantar.
Por isso esta noite, fiz esta canção,
Para resolver o meu problema de expressão,
Pra ficar mais perto, bem mais de perto.
Ficar mais perto, bem mais de perto.