10 de abril de 2008

O meu quarto

Estou sentada ao computador no quarto da parede laranja. A janela/porta não me deixa apreciar a noite do terraço. As persianas estão fechadas. Bem perto do azul do puff está o meu cão tricolor num sono tranquilo. A televisão desligada e a cama por abrir. Na estante as aparelhagens, os DVDs, os livros de lazer e profissionais junto das medalhas que tilintam ao mais pequeno toque. As fotografias estão em todos os cantos. Família, amigos e tu. Tu a sorrires. Todas as manhãs o meu primeiro bom dia é teu. No placar de cortiça momentos nossos acompanhados por palavras tuas. Na entrada o quadro colorido que apresenta esta divisão. Duas violas nos tripés e uma no saco pronta para viagens inesperadas. Os CDs expostos dão música a quem os vê. Na secretária os papéis desordenados lutam todos os dias para se organizarem. As pequenas coisas espreitam na procura de um lugar melhor. Os espelhos nas portas do armário dão profundidade enquanto estas deslizam da direita para a esquerda, da esquerda para a direita na hora da escolha da roupa matinal. Cinco peluches continuam aqui. Um girassol espera a nova casa. Um quarto cheio de vida e meia luz basta para o iluminar. O som às 23h12 é Antony and The Johnsons com Bird Gehrl.

2 comentários:

Carriço disse...

Um girassol espera a nova casa.Um quarto cheio de vida e meia luz basta para o iluminar. Tenho a certeza que a nova casa fique, também ela, cheia de vida. Da tua e da que me dás.
O bom dia continuará a ser meu.

Beijos grandes...

Carriço disse...

Ficará, em vez de fique. A esta hora, a falhar, teria que ser um tempo. Ainda que verbal. :)

Mais beijos